Mais um futuro

Nem lã nem brim nem veludo,

é sonho o que me agasalha

e eu vou de baile a batalha

peito aberto e pés desnudos

 

se o vento sopra meu fado

pra alguma estrada pequena,

outro destino me acena

e andamos de braços dados

 

adiante, tanta gandaia,

tão generoso porvir,

capaz de até redimir

a gente da minha laia

 

se um monstro arrasa o batuque,

se a dor destroça o festejo,

saudade de abraço e beijo

talvez seja o que mais fique

 

adiante outro dia raia

abrindo mais um futuro

capaz de salvar do escuro

a gente da nossa laia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *