Trem das sete

page-0004

(com Talo Pereyra)
Intérprete: Glória Oliveira no LP 7ª Ciranda Musical / 1984

Eu cheguei no trem das sete,
que mistura óleo e poesia.
Trouxe um canto que reflete
meu pago, minha utopia,
ou fere, qual canivete.

Lá nos confins de onde sou
não há quem mande sozinho,
não há quem decida nada
contrário ao bem dos vizinhos.
Ninguém se queixa pra o padre
nem aos outros desagrada.
E há um pelotão da Brigada
que vive na ociosidade.

Vi caminhões pela estrada,
rumo a Rondônia ou Goiás.
Em vez de trigo ou boiada
levam Tonicos, Inás
que, tendo terra nenhuma,
mas planos, braços e pás,
seguem vento que perfuma
lutas que a vida refaz.

Decerto, chegam um dia
lá onde a angústia termina,
lá onde a terra sacia
a fome que aqui germina.

Decerto, chegam um dia,
nos campos, praças, esquinas,
lá onde se refugia
o meu amor por Cristina

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *