Solidão

Eis uma rosa amarela
e cinco bois a mirá-la.
Dez olhos, única flor,
como se então fosse várias,
única flor em dez olhos
e ainda assim solitária

Amantes se amam aos gritos
no meio da multidâo,
inutilmente bonitos
pois quem vê, finge que nâo,
tão lindamente perfeitos,
tão fartos de solidão

eu colho todos os dias
pétalas de bem-me-queres,
como tocasse tua pele,
como invadisse teu sono
e te amasse à revelia
pra iludir meu abandono

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *