Saudade de pampa e de mar

Pampa e mar, casa e cais,
onde ando a memória me traz.
E o menino que fui
e não fui nunca mais
dança valsas azuis
numa aurora fugaz.

Sonhos meus, versos meus,
não me neguem o avesso do adeus,
a risada de Inês,
o olhar de Heloísa
e outra vez
um galope na brisa

Camperear, navegar,
descalçar os meus pés e correr
ao abraço de quem
me quiser abraçar,
como amigo ou irmão, solidário,
como um louco a sonhar
que no pampa e no mar
possa o tempo correr ao contrário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *