Repartindo

capa VII tafona 1995

(com Talo Pereyra)
Intérprete: Neto Fagundes no LP 7ª Tafona da Canção/ 1995

Tudo o que é vivo comigo
me faz seguir vida adentro.
E jamais ao desabrigo
e nunca por desalento.
Se tenho um sonho, persigo;
se não há sonho, eu invento.

Tudo que vive me anima:
cidades, gols, festivais,
a canção que mãe ensina,
o cheiro dos laranjais,
solidariedade e rima,
prosas do mundo andarilhas,
a luz vencendo a neblina,
o abraço das minhas filhas.
Tudo que tenho de estima
é vida, e faço partilha.

Tudo o que vive me anima:
risadas, peixes e potros,
o gosto das tangerinas,
índios e negros e outros,
lagoas, mãos, serpentinas,
lábios de caras pintadas,
tua nudez campesina,
tuas ânsias de namorada.
Tudo que tenho de estima,
noves fora vida, é nada.

Ando com Ritas e Edites
Zecas, Rosas e Tinocos.
Somos da estirpe dos loucos
que ao viver não põe limites
e em tempo de fome bruta
por safra mal dividida,
repartem um canto à vida
com cheiro e gosto de fruta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *