No condomínio

(com Carlos Catuípe)

Há tempos ninguém me diz
“tenha bom dia, vizinha”;
acho que a gente caminha
pra se asilar num país
com sala pintada em gris,
banheiro, quarto e cozinha;

Às vezes tento conversas
no corredor, na janela…;
Quem dera! Todos tem pressa
(trabalho, escola, novela…)
e olhos de medo ou cautela
perguntam – “mas quem é essa?”

Que raios de condomínio!!??
Aonde é que eu vim parar!!??
Não pode ser meu exílio
onde eu sonhava meu lar
e até ouviria cantar
dois rouxinóis de alumínio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *