Esperança

Pode ser que inda nos reste desvairar,
vagar nus entre planetas e salões
e tecer nas sombras fios de luz
trocar por flores cada cruz
arder no inferno das paixões.

Pode ser que ao pôr-do-sol desande um par
e os heróis se acabem numa inundação…
Grãos vão rebentar em girassóis
e eu e você que éramos dois
seremos mais e outros serão.

Ai de nós! Fomos confiar em querubins
e descuidamos dos jardins
e veio a lama e não foi pouca.
Pode ser que ainda resista uma ilusão,
um resto — o eco da explosão
da gargalhada das loucas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *