Eis-me aqui

talo no palco

(com Talo Pereyra)

Intérprete: Talo Pereyra

Prêmios de Melhor Letra, Melhor Intérprete e 2º lugar na 36ª Coxilha Navista (2016)

Eis-me aqui: músculos nervos
e mais de duzentos ossos;
sem causa para remorso
sem obra de algum relevo
pés de valsa olhos negros
língua afiada lábios grossos
braços de afetos e esforços
asco e ódio ao cativeiro
vinte e oito dentes inteiros
e ociosos se não almoço;

sou eu, com medula sonhos
água sangue oxigênio
o peso de um quilo e meio
de massa dentro do crânio
células unhas neurônios
veias artérias e vasos
pele queimada ao acaso
roteiros de cão sem dono
glândulas ânsias hormônios
pênis e esperma e orgasmo;

cá estou: boca e orelhas
pulmão ferido a fumaça
duas cordas vocais falsas
e mais duas verdadeiras
voz rouca de orvalho e poeira
tempo sol farras arruaças
protestos contra mordaças
murmúrios às companheiras;

eis-me: carinho e escarro
sem cetro coroa ou trono;
alheio a santo e demônio
de pedra pau gesso barro…
talvez insano e bizarro
de tanto que me apaixono;
coração em pandemônio
bafo de vinho e cigarro;

vim; passaporte sem vistos,
asas aos ventos gerais;
alamedas lamaçais
roseirais ipês granito
bordéis palácios presídios
salões veredas currais
gentes coisas animais…
histórias fábulas mitos

eis-me aqui, depois de muitos,
entre muitos e antes de outros;
não me serve de conforto
que ao céu vão os bons e os justos;
sob escárnio dos corruptos
agonizo junto aos probos;
sei: o sol nasceu pra todos
mas serve aos reis mais que aos súditos
e nunca foram os últimos
os donos de terra e de ouro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *