Dez luas

page-0023

(com Talo Pereyra)
Intérprete: Loma no LP 2ª Primavera da Canção / 1988

Vera corre e abre a porta
se buzina um caminhão.
Pode ser o gás chegando
mas, quem sabe, chegou João.

Ele vem-que-vem na estrada,
terminando outro carreto,
trazendo febrís histórias,
falsas jóias e um soneto.

O assobio veloz, intenso,
das panelas de pressão,
parece assobio do vento
que voa na contramão,
buscando, Brasil adentro,
talvez o luar do sertão.

No sul espera a morena,
contando as luas que se vão.
A saudade vale um poema:
dez noites de ausência são
dez lembranças obscenas
dez lágrimas no feijão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *