Pra que eu viva

(com Lucas Ferrera)

 

Saudosa boca de moça

adoça minha saliva

– é por paixão que começa

cada razão pra que eu viva

 

Me apaixonei por ser livre

no real e no imaginário;

sou peixe, escapo ao aquário

sou ave, escapo à gaiola;

aprendi, não só na escola,

a vencer ventos contrários.

 

Me apaixonei por cantar

de manhã, de tarde, à noite…

e quando já não me escutem

as musas do meu outono,

seguirei cantor sem dono,

aplauso, pouso e limites.

 

Saudosas bocas de moças

adoçam minha saliva

e aromas de madressilvas

acordam novas promessas

– é por paixão que começa

cada razão pra que eu viva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *