Assombrado

(com Hilton Vaccari)

 

Me alegra esta casa aberta

cheirosa de fruta e de flor,

povoada de gente honesta

e passaredo cantor.

 

Somos de um país hoje assombrado

com milhões desempregados

bom futuro sempre adiado

mau passado a não passar;

ladram, mordem, babam cães insanos

e no charco em que atolamos

oxalá nasçam gerânios

e teimemos em semear

 

Céu verte azuis,

breu serve aos boçais.

 

“Belo, forte, impávido, colosso”

é o país onde o almoço

chegue ao piá e ao velho e ao moço

à guria, à mãe, à vó,

mas vamos pra trás mais do que adiante,

somos a nação gigante

que, de passo em passo errante,

se embretou num cafundó.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *