SEM RÉDEAS

(com João Bosco Ayala Rodriguez)

 

Fui feliz

de dança em dança, de par em par, sonho a sonho

e infeliz

diante das guerras dos fiéis aos deuses e aos demônios;

disse não

quando o patrão ou algum capataz disse cale.

Sigo assim como vim.

E haja baile…

 

Nunca quis idade pra juntar saudade.

Minha juventude aproveitei sem rédeas.

Cidadão decente? Poeta delinquente?

Me viro entre festas e tragédias.

 

De rebanho manso disparada é rara,

mas nem cães o alcançam cada vez que ele dispara.

Se a primavera ainda perfuma,

manos, tomara que eu não durma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *