sejam felizes

O vento e o sol de La Plata

sinto iguais em Porto Alegre.

Sei de que é feita essa febre

que a cada dia me assalta

pra que a vida me carregue.

 

A régua que mede um homem

se torna, ás vezes, pequena;

é quando ele desordena

o que a maldade ordenou,

o que a ganância semeou,

o que a injustiça rendeu…

Vivam mais, amigos meus

a quem amar vale a pena!!

 

Vivam, queridas amigas

e eternas namoradas!!

Não creiam que ainda tarda

a imensa felicidade

– tão grande que ninguém sabe

o começo, o meio, o fim.

Sejam felizes por mim,

amadas, se eu desgarrar-me.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *